Malamém e a Reprogramação Mental

Você sabia que nossa mente pode ter sido mal programada?


Hoje vou mostrar para vocês como os perigos imaginários detonam o alcance de nossas metas e nossos objetivos, considerando a piada do “malamen”(não encontrei o autor), como fator de análises, ilustrado com um novo olhar.


Novo olhar sobre o "Malamen"


Um jovem carregava um medo imaginário dentro de sua mente subconsciente que o atrapalhava realizar seus sonhos e atingir seus objetivos. Ele se sentia inseguro, travado, bloqueado de vivenciar alguns momentos, mas não sabia a razão. Foram muitas buscas, pois

isso afetava sua vida pessoal e profissional. Era uma pessoa extremamente dedicada, estudiosa, as pessoas não se cansavam de elogiá-lo, mas carregava dentro de si algo que parecia lutar contra ele mesmo. Fez várias terapias, sem êxito naquilo que buscava. A cada dia ficava uma pessoa mais humana e mais especial e sua mãe algumas vezes falou: ”Meu filho, você um menino tão bom, ajuda a tantas pessoas que são extremamente gratas a você pelos sucessos adquiridos, mas vejo você se dedicando tanto e sentindo-se infeliz. O

que acontece com você?” Ele disse: “Mãe, eu também me sinto assim, parece que dentro de mim tem um fantasma que me impede de realizar meus objetivos, dou as dicas para as pessoas, elas fazem o que falo e deslancham e eu me sinto um fracassado, um frustrado por não conseguir ser produtivo o suficiente para atingir meus resultados positivos. O que me maltrata que as pessoas me levam para apresentar seus progressos que eu ajudei e ensinei, e na minha vida não consegui colocar em prática”.


A partir daí ele decidiu procurar um profissional que fizesse uma regressão mental nele para encontrar esse trauma, esses bloqueios, porque aparentemente eram muitos. Foi a um terapeuta de Reprogramação mental, que realizava regressão de memória, fez uma ficha de anamnese como critério para ser atendido, suas análises foram realizadas. Descobriu que era um idealista muito sugestionável e foi levado a uma regressão de memória (considerando que precisava achar seu trauma), lembrou que em um determinado momento de suas idas na escola a professora havia perguntado a ele e seus colegas se tinham medos. Um tinha medo de “mula sem cabeça”, o outro medo do “saci Pererê”. Ela disse que eram lendas e eles questionavam dizendo: “Tem fotos professora, lógico que existe” e a professora achando ter ajudado perguntava a outro aluno. Ao perguntar para esse jovem em regressão de memória, o jovem lembrou que ao ser perguntado, de forma segura ele disse: Eu tenho medo “fessora”, muito medo do malamen. Ela achou estranho aquele ser, ou aquela coisa. Ela quis saber mais e ele explicou: O meu é pior do que o deles fessora, o deles tem foto, mas o meu não tem, por isso tenho medo de tudo. Todo instante e em tudo que faço, sinto que ele pode chegar e me pegar. Ele as vezes parece estar fora de mim, mas em outras está dentro de mim e é assustador.


A professora questiona: Menino, que fantasma é esse que nunca ouvi falar e que faz você se sentir tão mal e tão assustado? Ele respondeu: Fessora, viu como sofro? E ele deve ser muito perigoso, por que todas as noites minha mãe desde muito pequenininho chamava eu, meus irmãos e minhas irmãs pra rezar e no final da oração ela dizia: Livrai-nos do “malamem”. Agora você entende meu medo fessora. Ela riu muito e mostrou pra ele somente que a mãe não separava as palavras, mas essa fala fazia parte do final da oração do Pai-Nosso, que terminava assim: Livrai-nos do Mal, Amém!


Afastando os fantasmas


Sem realizar uma compreensão mais efetiva e correta, e sentindo decepcionado com as risadas da ‘fessora”, o jovem até seus 26 anos sentia como se tivesse um fantasma imaginário. A terapeuta o fez compreender e o reprogramou da forma correta aquilo que ficou dentro daquela criança, como uma bola de neve crescendo e se tornando um perigo imaginário, criado um dia dentro de sua mente subconsciente como verdade absoluta, programações das risadas também do “fessora”, tudo foi se tornando uma crença limitante e fazendo daquela criança um jovem inseguro.


O que acontecia é que aquele “ fantasma imaginário” o atrapalhava com frequência e ele repetia na vida adulta comportamentos negativos que se tornaram Auto sabotagens. Sabotagem são comportamentos que repetimos de forma inconsciente, que não gostamos, queremos tirá-lo de nossas vidas, mas quando não tomamos consciência dessa verdade de uma forma mais ampla, somos tirados de nossos objetivos. Entender que mamãe jamais quis deixa-lo traumatizado e que nem sabia que ele tinha esse medo. Ela o amava muito e ele hoje podia de forma clara e objetiva perdoar a mamãe, a “fessora” e também compreender e reprogramar seus medos, libertando-se das auto sabotagens. Ele foi libertado dos traumas e pôde treinar ainda mais sua mente para o sucesso.


Em função dessa história e outras vivenciadas, eu criei um método que se chama Método de Reprogramação Mental. Usando das minhas experiências profissionais, minha própria história, onde também vivi algo parecido, e essa piada, criei esse Método de Reprogramação e tenho obtido grandes resultados positivos. Eu ensino esse método em minha Palestra: Treine sua Mente para o Sucesso.


Continue me acompanhando que relatarei aqui outras experiências, com resultados positivos e de sucesso.


9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo